Variedades

Pastores comentam sobre os cristãos que adquiriram hábito de falar palavrões: “Perigosíssimo”

A pobreza de vocabulário e os absurdos recorrentes no mundo contemporâneo terminam influenciando muitas pessoas, inclusive cristãos, a se valerem de palavrões para expressar sentimentos, sejam de euforia ou indignação. Esse hábito, no entanto, é algo a ser lamentado na visão do reverendo Hernandes Dias Lopes, da Igreja Presbiteriana de Pinheiros, em São Paulo (SP).

O pastor concedeu uma entrevista ao canal da Oitava Igreja Presbiteriana de Belo Horizonte no YouTube e destacou os riscos de se adicionar os palavrões à rotina, pois a Bíblia alerta sobre o uso de palavras torpes e desaconselha essa postura

“Palavrão é um hábito perigosíssimo, é um vício. Parece que a nossa cultura está cada vez mais se degradando e se você não falar um palavrão você está fora do contexto. Você não consegue se comunicar direito, você vê hoje que está no rádio, na televisão, no futebol então nem se fala”, contextualizou o pastor Hernandes Dias Lopes.

O entrevistador, pastor Jeremias Pereira aprofundou essa linha de raciocínio: “Esses dias eu fui em uma escola secundarista e eu tomei o maior susto, porque eu nunca vi tanta menina falando palavrão. Daqueles que eu nunca havia ouvido. Agora os crentes são engraçados, ao invés de falar palavrão eles falam ‘misericórdia’. Eles fazem uma interjeição como se estivessem xingando, é na bagagem da ira”.

Lopes citou a passagem bíblica de Efésios 4:29: “’Não saia da vossa boca nenhuma palavra torpe’. Ele não diz algumas, ele diz nenhuma. E se unicamente ela for boa para edificação, conforme a necessidade. Então determinadas coisas, mesmo sendo verdade, é preciso saber se é oportuno e se vai ajudar”, pontuou.

Para o pastor Pereira, a cautela ao se expressar é algo essencial: “Nós precisamos trabalhar primeiro a gente. Como é que eu trabalho na minha mente? Com a gratidão, com a memorização da Verdade, porque ainda há determinadas situações em que sou pressionado. Eu preciso reagir como se eu tivesse 14 anos. Então eu quero que o meu mundo interior bata com meu mundo exterior”.

A nivelação da cultura por baixo através da homogeneização de conteúdos em geral e o desprezo à literatura leva ao empobrecimento de vocabulários. Essa incapacidade de usar a riqueza da língua portuguesa para se expressar se torna terreno fértil para a proliferação dos palavrões.

“Hoje, com o advento da internet, nós estamos vivendo o empobrecimento do vocabulário. Quando o camarada tem um vocabulário muito pobre, para aprender para preencher aquela lacuna que não tem uma palavra muito boa ele solta um palavrão. Quando você lê a Bíblia o seu vocabulário melhora”, provocou o pastor Hernandes Dias Lopes.

“Nós estamos perdendo a sensibilidade com palavrão até mesmo dentro das igrejas. Uma vez eu vi um cidadão dirigindo louvor e ele estava tão feliz com a reação do auditório e com a música que ele estava dirigindo que ele soltou um palavrão. Foi um constrangimento geral, porque aquilo saiu e foi aquele jato de água fria”, apontou. “Eu penso também que não dá para lidar com isso, a não ser que você esteja cheio do Espírito Santo. O texto de Efésios diz que quando você está cheio do Espírito Santo, você vai jogando na sua mente a gratidão e adoração”, acrescentou.

Clique para comentar

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Visualizadas

Topo